Garotas que Ficam com Outras Garotas

Garotas que Ficam com Outras Garotas
"BBB14 - Bella deu um selinho em Letícia." —Foto: Reprodução/Globo

“Boa tarde, Dr. Oswaldo, tudo bem? Pode me ajudar novamente em uma matéria do UOL Mulher, Editoria de Comportamento?”

Heloísa Noronha
Do UOL, em São Paulo
03/02/2014 07h00

O tema é “garotas que ficam com outras garotas apenas por diversão” com gancho no BBB14 – Clara e Vanessa costumam se beijar nas festas e Bella e Letícia trocaram selinhos.

– Hoje em dia não é raro que muitas garotas (algumas até adolescentes) beijem outras na balada ou em festas apenas por diversão. Algumas até têm namorado, mas querem curtir o momento. Às vezes a noite termina em sexo, outras não. Por que você acha que esse comportamento é cada vez mais comum?

Este sempre foi um comportamento relativamente comum, talvez atingindo de 15 a 20% das adolescentes, historicamente falando. Em determinados grupos pode tornar-se mais comum, às vezes com significado de treino de atividades pró-sexuais, às vezes como forma de questionamento sobre preferências sexuais, e noutras a forma de experimentar ser lésbica e com este treino aprender como administrar as mudanças e consequências que o mundo pode trazer.

– Essas garotas podem ser classificadas como bissexuais ou lésbicas? Ou não há uma classificação exata?

Como não apresentam um comportamento exclusivista para com outras mulheres, são bissexuais. O problema é que em nossa cultura o termo bissexual é mal visto, e mesmo desconsiderado por militantes homossexuais, que tendem a compreender que são homossexuais que ainda “não saíram do armário”. No entanto, as pessoas que se sentem confortáveis com o classificarem-se de bissexuais sabem que não se trata de ser um homossexual “que ainda não se decidiu”.

Porém, devemos perceber que existem graus variáveis de bissexualidade, conduzindo percentagens de preferências para mais homem ou para mais mulher. Algumas mulheres podem sentir-se sexualmente atraída em 90% por homens, e 10% de desejo por mulher, e variando diminuindo para um e aumentando para outro.

Em verdade também deve variar este desejo ao longo da vida, incluindo deixar de buscar um ou outro sexo, ou até mesmo zerar o desejo para qualquer outra pessoa, seja por um período de tempo, seja por décadas. Estas são variações estatísticas presentes nas vidas das pessoas.

Se a fase bissexual ficar na adolescência, antes de uma estabilização de identidade social, implica na fase de experimentações adolescentes, sem possível retorno na vida futura. Claro que variações individuais se aplicam a esta regra, permitindo épocas “lésbicas” ao longo da vida.

– Brincar com a fantasia e a libido alheia também é uma forte motivação? Por quê? Nesse caso, a vaidade também é um forte componente?

Sentir prazer com o desejo sexual do outro ocorre com muitas pessoas e implica em jogos de sedução e numa futura dependência de sempre ser desejado para a expressão da sexualidade e satisfação nos relacionamentos. Geralmente esta dependência afetiva produz emoções negativas e dificuldades de relacionamento futuro, com sofrimento para ambos envolvidos.

Algumas pessoas sentem prazer em exibir-se aos outros, expressando necessidades sexuais e comportamentos para que outros vejam, e preferentemente se excitem sexualmente. Seduzir o outro (a outra) para sentir prazer, mesmo que não se desenvolva outros contatos sexuais, é um método usado por várias pessoas, mas que geralmente traz dificuldades para os relacionamentos conjugais (depois de casados, a sedução deixa de ser executada, o outro está ganho, não está em disputa).

– E provocar o preconceito?

Mostrar-se publicamente em qualquer atividade pró-sexual produzirá emoções negativas em muitas pessoas. Uma primeira razão é que estes atos são, ou deveriam ser, privados. Ao ocorrerem publicamente, muitos compreenderão que se trata da quebra de regras, e isto produz ações negativas para forçar o outro a não mais agir assim.

Se a maioria dos casais hetoressexuais não se mostram em atos pró-sexuais publicamente, porque os casais de minorias homossexuais ou bissexuais teriam mais direito a esta expressão pública? Assim surge a aparência de preconceito, mas é a busca de exigência do contrato social existente.

– Você acha que as mulheres vêm se permitindo mais essas experiências porque a diversão nem sempre precisa culminar em sexo? Se fosse com um homem, a tentativa de transar é sempre esperada?

Esta brincadeira adolescente é verdadeira neste sentido de não conduzir a ato de penetração. Para algumas mulheres bissexuais esta pode ser uma busca constante de vivências afetivas e sensoriais sob controle de intensidade de excitação ou de ações. Inclusive permitindo viver ações de modo mais ativo, podendo ser oposto ao comportamento mais exigido de mulheres nos relacionamentos com homens, quando atuam de modo passivo.

– E por que esse comportamento ainda não é frequente entre os homens?

Comportamentos sexuais na direção de outros homens pode fazer com que se sintam menos homens, o que já os impedem de vivenciar contatos homossexuais. Outra questão é que comportamentos pró-sexuais não são exatamente o que homens buscam no sexo. O sexo genital é buscado, portanto, beijos podem estar fora destas aproximações.

Existem menos homens homossexuais que mulheres homossexuais. Algumas estatísticas podem apontar para 1 homem para cada 3 mulheres. Assim, homens homossexuais podem ter mais visibilidade social, mas não são estatisticamente em maior número.


Fonte: Garotas que se beijam por diversão não estão só no “BBB”

Deixe um Comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com (*) são requeridos.

Cancelar resposta

Vídeos Recentes

VER + VÍDEOS